CRIANÇA E ADOLESCENTE / 13/07/2018

Crescer e Lutar por Direitos e Políticas para Crianças e Adolescentes

Falar em direitos e políticas públicas para crianças e adolescentes no Brasil, significa refletir sobre qual é o cenário e as desigualdades que as determinam, além de considerar quais são as responsabilidades da Psicologia perante esta realidade. Sendo assim, podemos iniciar lembrando que na elaboração e execução de legislações e políticas, faz-se necessário considerar as características territoriais, as peculiaridades dos grupos e das pessoas que os habitam e a participação democrática.

 

No entanto, vale observar que em nosso país, durante séculos, tivemos predominantemente uma história de omissão de cuidados e de exploração das crianças e adolescentes. Somente em 1927 foi promulgado o 1º Código de Menores, considerada a primeira legislação voltada para a infância e adolescência, contudo, esta não garantia a proteção integral. Isto também ocorreu com a legislação de 1979, o 2º Código de Menores. Foi somente através da Constituição Federal de 1988 e do Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990 que todas as crianças e adolescentes no Brasil puderam ter assumidamente seus direitos contemplados.

 

Infelizmente, sabemos que mesmo que a lei se proponha a garantir igualmente direitos para todas/os, isto não quer dizer que as crianças e adolescentes sejam tratadas, educadas e cuidadas de forma equânime, num país que foi forjado no racismo e na desigualdade social.

 

Atualmente temos o seguinte cenário: são cerca de 47.000 crianças e adolescentes em acolhimento institucional; 7.300 crianças e adolescentes que aguardam adoção; 27.000 adolescentes privados de liberdade; 2,7 milhões de crianças e adolescentes em situação de trabalho no Brasil, sendo destas 2,3 milhões em situação de exploração (fonte: http://www.chegadetrabalhoinfantil.org.br/trabalho-infantil/estatisticas/); tráfico de drogas e exploração sexual comercial como as piores formas de trabalho/exploração, que geram a criminalização da infância e da adolescência; elevado número de mortes; naturalização do genocídio das crianças/adolescentes/jovens, principalmente as/os negras/os e indígenas; aumento significativo do número de suicídios; “reformas” da educação sem a participação das crianças/adolescentes e da sociedade, além da proposta da “escola sem partido” (propostas que precarizam a educação); PEC que congelou investimentos na saúde e educação por 20 anos; Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) modificado sem necessário debate e avaliação dos impactos nas políticas do SUAS, SUS, Justiça, Educação, com propostas que visam prazos menores para avaliações e encaminhamentos para adoção, dificultando ou mesmo impedindo o direito à convivência familiar e comunitária; criminalização dos movimentos sociais; judicialização da vida; medicalização e patologização, que rotulam e restringem a vida a determinados modelos normatizadores.

 

A importância Psicologia na atuação junto a crianças e adolescentes:

 

A Psicologia, enquanto ciência e profissão reconhece que as crianças e adolescentes são sujeitos de direitos tendo assegurado seu desenvolvimento pleno e saudável, além de ocuparem papel de destaque na participação cidadã. Portanto, as psicólogas que atuam junto a crianças e adolescentes nas mais diversas áreas, tais como na Educação, Saúde, Assistência Social, Justiça, Clínica, entre outras, tem compromisso direto na elaboração e execução de políticas, além do dever ético de assisti-las e/ou atende-las respeitando a condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, integrante e participante da sociedade.

 

Defendemos para todas crianças e adolescentes:

 

- Priorização do direito a convivência familiar e comunitária, com atuação crítica que combata a criminalização da pobreza

 

- Políticas efetivas e dignas de atendimento/assistência às famílias e/ou responsáveis

 

- Respeito à diversidade – crenças, etnias, sexualidade, inclusão

 

- Protagonismo e participação política das crianças, adolescentes e jovens

 

- Educação pública e de qualidade, que possibilite a participação ativa de crianças e adolescentes em seu processo de aprendizagem

 

- Práticas não medicalizantes, tampouco patologizantes

 

- Uma sociedade que privilegie o diálogo e a democracia, mas que não negue suas contradições, com atuação crítica que combata a judicialização da vida

 

- Crianças e adolescentes não são mercadorias, são prioridade absoluta, portanto, o investimento público deve ser voltado para o melhor interesse das crianças e adolescentes, para que todas/os tenham acesso às políticas públicas, sem restrições

 

Conselho Regional de Psicologia de São Paulo

28º Aniversário do Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei 8069/1990

13/07/2018





Institucional

Conheça o CRP SP
Conselheiros
Subsedes
Comissões
Licitações
Transparência
Nova sede
Atendimento

Anuidades
Atualizar cadastro
Cadastro nacional
Concursos
Declaração Profissional
Validação de Declaração
Inscrição de empresa
Inscrição pessoa física
Profissionais inscritos
Entrega de CIP
Orientação

Código de Ética
Manuais
Representações
Título de especialista
Legislações
Tabela de honorários
Testes psicológicos

Publicações

Boletins CRP SP
Cadernos temáticos
Campanhas e ações
Cartilhas
CREPOP
Diversos
Exposições virtuais
Jornal Psi
Livros
Memória da Psicologia
Notícias
Páginas temáticas
Quadrinhos
TV Diversidade
Vídeos
Agenda

Agenda CRP SP
Outros eventos
Indique um evento
Transmissões online
Planejamento estratégico
Conselho Regional de Psicologia 6ª Região | R. Arruda Alvim, 89 | 05410 020 | São Paulo/SP | Tel. 11 3061 9494