RELAÇÕES ETNICORRACIAIS / 19/12/2018

Entrega do Prêmio Jonathas Salathiel de Psicologia e Relações Raciais

No último dia 24 de novembro, foi realizada a cerimônia do Prêmio "Jonathas Salathiel de Psicologia e Relações Raciais". O prêmio tem como finalidade estimular a produção de artigos da área de Psicologia, assim como criações artísticas das mais diversas linguagens (fotografia, imagens, poesias, músicas e outros) a respeito da violência causada pelo racismo e dar visibilidade para produção em saúde mental e relações raciais.

 

A Premiação é uma homenagem ao psicólogo Jonathas Salathiel pela sua atuação para o reconhecimento da centralidade da questão racial num projeto comprometido com uma sociedade melhor - porque mais igualitária - em que o combate ao racismo deve ocupar todas as pautas. Sua incansável luta contra todas as formas de discriminação racial, faz ecoar ações propositivas neste conselho de classe, estimulando a produção de documentos norteadores sobre os efeitos do racismo para a população negra e também na criação de um grupo interno para pensar as questões raciais, organizado hoje como Núcleo de Relações Étnico-raciais.

 

Essa homenagem, sobretudo, expressa a gratidão da Psicologia no Estado de São Paulo a Jonathas José Salathiel da Silva que foi um grande colaborador, amigo e conselheiro para a construção de uma profissão comprometida com a igualdade racial.

 

Reverberações do Prêmio

 

”A construção foi coletiva, com família, amigos, conhecidos e desconhecidos, que, enfim, o conheceram. Falamos quem nós somos, apresentamos o vídeo em sua homenagem, e então veio o choro coletivo. Nessa hora, ele já estava conosco. O evento foi para homenagear toda sua caminhada e construção histórica, mas tudo apontou pra mais que isso. Então começamos a chamar pessoas próximas, pra falar sobre o amigo e conselheiro Jonathas Salathiel e também para convocar as premiadas e os premiados que, por sua vez, também falaram, cantaram e poetizam sua caminhada inspirada nele. Tivemos cuidado com o espaço, afeto nas palavras e, no final, encerramos com cantos, abraços e sorrisos. A sala estava lotada!” diz Cinthia Vilas Boas, do Núcleo Psicologia e Relações Étnico-raciais do CRP-SP.

 

Os avaliadores seguiram as normas estabelecidas no edital. Colaboradores no Núcleo de Relações Étnico Raciais do CRP SP coordenaram o processo de avaliação: Márcia Miranda Santos, Fabiana Villas Boas da Silva, Lázaro Edson de Souza, e Mariana da Costa Pedro Nogueira da Luz.

 

A seguir, uma breve descrição dos premiados com comentários da comissão avaliadora.

 

Categoria: Psicóloga/o

 

Entregaram os certificados Isildinha Baptista Nogueira e Clélia Prestes para:

 

Maria Vitória Paiva

Trabalho: Prática de letramento das relações etnicorraciais em grupo terapêutico.

O artigo em formato acadêmico possui introdução, metodologia, descrição e análise dos resultados bem descritos e fundamentados. Usa a literatura de referência da área com propriedade. As perguntas disparadoras alcançaram os objetivos propostos de reflexão e a conduta do grupo, ao que parece, possibilitou o alcance do objetivo de letramento. Ótima iniciativa que merece ser compartilhada e replicada. A metodologia, por ser bem descrita, permite replicação do trabalho.

 

Kwame Y. Poli dos Santos

Trabalho: Ética intercessora e micropolítica de aquilombamento - trabalho do psicólogo no enfrentamento ao genocídio negro.

Trata-se de uma discussão sobre a prática clínica apresentada em formato acadêmico. Possui introdução, metodologia, descrição e análise dos resultados bem descritos e bem fundamentados. O objetivo é discutir o genocídio da população negra, mas visto a consistência do trabalho, é possível replicar para toda prática psicoterapêutica em relações raciais. A base teórica para discussão é a esquizoanálise, o que confere autenticidade e inovação ao trabalho, visto que a área Psicologia e Relações Raciais tradicionalmente utiliza a Psicanálise como referência.

 

Categoria Estudante

 

Entregaram o prêmio, a mãe biológica, Edna Salatiel e mãe de santo, Yalorixá Maria Rosa de Xangô, seguindo a religiosidade de matriz africana da qual Jonathas fazia parte. Para análise dos trabalhos da categoria Estudante utilizou-se como critérios de avaliação a coerência do trabalho com o tema das Relações étnico-raciais, a relevância, normas da ABNT e as exigências do edital.

 

Nathália de Souza Machado dos Reis

Trabalho: Primavera periférica: caminhos descoloniais da subjetividade a partir dos saraus periféricos.

O trabalho traz um levantamento histórico a respeito da história do povo negro, sobre os poemas, sobre as batalhas e como se constrói os processos subjetivos e de identidade do sujeito na periferia de São Paulo. Possibilita a compreensão dos aspectos da dimensão subjetiva da desigualdade racial a partir dos sentidos e narrativas de jovens negros em relação aos saraus periféricos, apresentando consistência teórica; e garante a articulação com o tema das relações étnico-raciais. O trabalho é relevante porque garante a articulação de importantes temáticas cotidianas, promove ampliação dos saberes sobre os conteúdos apresentados e garante os aspectos formais de um trabalho acadêmico.

 

Gabriel Rodrigues Mardgan

Trabalho: Estratégias de ensino - aprendizagem das relações étnico-raciais de professores de psicologia social.

O trabalho tem como proposta compreender como o tema das relações étnico-raciais se articula com a formação em Psicologia. O estudante aborda as Relações étnico-raciais na formação de psicologia a partir do relato de 15 professores que trabalham a temática na graduação para compreender as dificuldades de abordagem do tema e a transversalidade em sala de aula ou em outros campos, como assistência social, educação e clínica. Também faz um levantamento histórico sobre o estudo das relações raciais no Brasil e sobre as Leis 10.639/03, hoje retificada em 11.645/08.

 

Relatos de Experiência e Criações Artísticas

 

A categoria contou com mais de 10 pessoas na comissão avaliadora, dentre artistas do corpo, da voz e da performance. Márcia Miranda e Lidiane Aparecida de Araujo e Silva entregaram o prêmio para:

 

Jessica Moura Silva Santo

Trabalho: Terça Afro - território de afetos.

O projeto realizado desde 2012 na periferia, valoriza a oralidade e a circularidade, características da ancestralidade africana. Constituí-se um espaço de acolhimento, diálogo, saúde, afeto e conhecimento voltados para a população negra com ação cultural, artística e política. A grande circulação de pessoas, com vivências e áreas do conhecimento diversas, a consolidação e o reconhecimento público do projeto enriquecem as possibilidades de trocas.

 

Lubi Prates Raimundo

Trabalho: Um corpo negro.

Compilado de poesias que tratam da experiência da negritude no tornar-se negro. Estimula a criação mental de imagens de um corpo-território-negro que, como todo corpo, abriga uma subjetividade, mas como todo território, é constituído e delimitado por conflitos e disputas por um poder funcional e simbólico; apresenta a condição de não pertencimento deste corpo-território-negro em diáspora; aborda condições específicas do corpo-território-negro feminino e traz também um diálogo com casos representativos da violência contra este corpo-território-negro.

 

Redes e Articulações

 

As avaliadoras desta última categoria do prêmio levaram em conta os critérios de relevância social e funcionamento efetivo de trabalho em rede, considerando além da temática racial, o seu alcance. Maria Lucia Silva e Irene Damazio Garcias entregaram os prêmios a:

 

Priscilla Soares Prada e todas as pessoas do NURAAJ - Núcleo de Referência e Apoio à Adolescência e Juventude.

Trabalho: A parceria NURAAJ e AMMA PSIQUÊ na prática da clínica do SEDES.

Aponta a necessidade de se trabalhar a questão racial com adolescentes, viabilizando um espaço de escuta, fortalecimento e empoderamento em busca de alívio a todas as formas de violência produzidas pelo racismo em nossa sociedade.

 

Mariana Luciana Afonso, Jaci Gallo e a ONG Agentes da Cidadania

Trabalho: Mulheres da Luz - nota de intervenção psicossocial com mulheres negras em situação de vulnerabilidade, prostituição e exclusão social.

O projeto atua pela promoção da transformação social e econômica de mulheres em situação de prostituição e exclusão social, em sua maioria, pardas e negras.

 

Encerramento

As falas de apresentação dos premiados e de agradecimento foram de muita emoção com mensagens de desejo de continuidade e esperança de que o tema das relações étnico-raciais se fortaleça dentro e para fora da Psicologia.





Mais Notícias

Institucional

Conheça o CRP SP
Conselheiros
Subsedes
Comissões
Licitações
Transparência
Nova sede
Atendimento

Anuidades
Atualizar cadastro
Cadastro nacional
Concursos
Declaração Profissional
Validação de Declaração
Inscrição de empresa
Inscrição pessoa física
Profissionais inscritos
Entrega de CIP
Orientação

Código de Ética
Manuais
Representações
Título de especialista
Legislações
Tabela de honorários
Testes psicológicos

Publicações

Boletins CRP SP
Cadernos temáticos
Campanhas e ações
Cartilhas
CREPOP
Diversos
Exposições virtuais
Jornal Psi
Livros
Memória da Psicologia
Notícias
Páginas temáticas
Quadrinhos
TV Diversidade
Vídeos
Agenda

Agenda CRP SP
Outros eventos
Indique um evento
Transmissões online
Planejamento estratégico
Conselho Regional de Psicologia 6ª Região | R. Arruda Alvim, 89 | 05410 020 | São Paulo/SP | Tel. 11 3061 9494