Decreto Nº 79.822 de 17/06/1977 - Regulamenta a Lei Nº 5.766, de dezembro de 1971, que criou o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências

Decreto nº 79.822, de 17/06/1977.

Regulamenta a lei nº 5.766, de 20 de dezembro de 1971, que criou o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81º, itens III e V da Constituição, e tendo em vista o disposto no artigo 39º da lei nº 5.766, de 20 dedezembro de 1971, decreta:

Capítulo I
Disposições preliminares

Art. 1º O exercício da profissão de Psicólogo, nas suas diferentes categorias em todo o território nacional, somente será permitido ao portador de Carteira de Identidade Profissional expedida pelo Conselho Regional de Psicologia da respectiva jurisdição.

Capítulo II
Dos Conselhos Federal e Regionais de Psicologia

Seção I - Parte geral

Art. 2º O Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal dotada de personalidade jurídica de direito público, com autonomias administrativa e financeira, vinculada ao Ministério do Trabalho.

Seção II - Do Conselho Federal

Art. 3º O Conselho Federal de Psicologia tem por finalidade orientar, supervisionar e disciplinar o exercício da profissão de Psicólogo, em todo o território nacional.

Art. 4º O Conselho Federal é o órgão supremo dos Conselhos Regio-nais, com jurisdição em todo o território nacional e sede no Distrito Federal .

Art. 5º O Conselho Federal será constituído de 9 (nove) membros efetivos e 9 (nove) suplentes.

Parágrafo Único - O mandato dos membros do Conselho Federal será de 3 (três) anos, permitida a reeleição uma só vez.

Art. 6º Compete ao Conselho Federal:

eleger sua diretoria;
elaborar e alterar seu Regimento;
aprovar os regimentos dos Conselhos Regionais;
orientar, disciplinar e supervisionar o exercício da profissão de Psicólogo em todo o território nacional;
exercer função normativa e baixar atos necessários à execução da legislação reguladora do exercício da profissão;
definir o limite de competência do exercício profissional, conforme os cursos realizados ou provas de especialização prestadas em escolas ou institutos profissionais reconhecidos;
elaborar e aprovar o Código de Ética Profissional do Psicólogo;
funcionar como tribunal superior de ética profissional;
funcionar como órgão consultivo em matéria de Psicologia;
julgar, em última instância, os recursos das deliberações dos Conselhos Regionais;
publicar, anualmente, o relatório dos trabalhos e a relação de todos os Psicólogos inscritos;
expedir resoluções e instruções necessárias ao bom funcionamento do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais;
expedir resoluções sobre procedimento eleitoral;
conhecer e dirimir as dúvidas suscitadas pelos Conselhos Regionais e prestar a estes assistência técnica permanente;
aprovar o valor das anuidades, taxas, emolumentos e multas devidas pelos profissionais aos Conselhos Regionais a que estejam jurisdicionados;
fixar a composição dos Conselhos Regionais, organizando-os à sua semelhança e promovendo a instalação de tantos Conselhos quantos forem julgados necessá-rios, determinando suas sedes e zonas de -jurisdição;
propor, por intermédio do Ministério do Trabalho, alterações da legislação relativa ao exercício da profissão de Psicólogo;
instituir e modificar o modelo da Carteira de Identidade Profissional;
opinar sobre propostas de aquisição, oneração ou alie-nação de bens;
aprovar proposta orçamentária dos Conselhos Regionais;
fixar critérios para a elaboração das propostas orçamentárias;
elaborar sua proposta orçamentária, submetendo-a à apreciação da Assembléia de Delegados Regionais;
elaborar prestação de contas do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais e encaminhá-la ao Tribunal de Contas;
promover a intervenção nos Conselhos Regionais na hipótese de insolvência;
promover a realização de congressos e conferências sobre o ensino, a profissão e a prática da Psicologia;
homologar inscrição de Psicólogos;
promover diligências, inquéritos ou verificações sobre o funcionamento dos Conselhos e adotar medidas para sua eficiência e regularidade;
deliberar sobre os casos omissos.
Art. 7º O Conselho Federal deverá reunir-se pelo menos uma vez por mês.

Art. 8º O Conselho Federal deliberará com a presença da maioria absoluta de seus membros, exceto quanto às matérias de que tratam os itens XII, XIII, XVI e XXIV, do artigo 6º, que deverão ser aprovadas por 2/3 (dois terços) dos seus -membros.

Art. 9º O patrimônio do Conselho Federal será constituído de:

doações e legados;
dotações orçamentárias do Poder Público Federal, Estadual ou Municipal;
bens e valores adquiridos;
1/3 (um terço) das anuidades, taxas, emolumentos e multas arrecadados pelos Conselhos Regionais.
Seção III - Dos Conselhos Regionais

Art. 10º Os Conselhos Regionais de Psicologia têm por finalidade orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de Psicólogo e zelar pela fiel observância dos princípios de ética e disciplina da classe.

Art. 11º Os Conselhos Regionais terão sede e foro na capital do Estado, ou de um dos Estados ou territórios, a critério do Conselho Federal.

Art. 12º Os Conselhos Regionais serão compostos por membros efetivos e suplentes, em números fixados pelo Conselho -Federal.

Parágrafo Único - O mandato dos membros dos Conselhos Regionais será de 3 (três) anos, permitida a reeleição uma só vez.

Art. 13º Compete aos Conselhos Regionais:

eleger sua diretoria;
organizar seu Regimento, submetendo-o à aprovação do Conselho Federal;
orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão em sua jurisdição;
cumprir e fazer cumprir as resoluções e instruções do Conselho Federal;
arrecadar anuidades, taxas, emolumentos e multas e adotar todas as medidas destinadas à efetivação de sua receita e do Conselho Federal;
decidir sobre os pedidos de inscrição do Psicólogo;
organizar e manter registros dos profissionais inscritos;
expedir Carteira de Identidade do profissional;
impor sanções previstas neste regulamento;
zelar pela observância do Código de Ética Profissional do Psicólogo;
funcionar como tribunal regional de ética profissional;
sugerir ao Conselho Federal as medidas necessárias à orientação e à fiscalização do exercício profissional;
eleger, dentre seus membros, 2 (dois) delegados-eleitores que comporão a Assembléia de Delegados Regionais;
remeter, anualmente, ao Conselho Federal, relatório de seus trabalhos, nele incluindo relações atualizadas dos profissionais inscritos, cancelados e suspensos;
elaborar proposta orçamentária anual, submetendo-a à aprovação do Conselho Federal;
elaborar prestação de contas e encaminhá-la ao Conselho Federal;
promover, perante o juízo competente, a cobrança das importâncias correspondentes a anuidades, taxas, emolumentos e multas, esgotados os meios de cobrança amigável.
Art. 14º Os Conselhos Regionais deliberarão com a presença da maioria absoluta de seus membros.

Art. 15º O patrimônio dos Conselhos Regionais será constituído de:

doações e legados;
dotações orçamentárias do Poder Público Federal, Estadual ou Municipal;
bens e valores adquiridos;
2/3 (dois terços) das anuidades, taxas, emolumentos e multas arrecadadas.
Capítulo III
Das assembléias

Seção I - Da Assembléia dos Delegados Regionais

Art. 16º A Assembléia dos Delegados Regionais será constituída por 2 (dois) delegados-eleitores de cada Conselho Regional.

Art. 17º O mandato dos delegados-eleitores que constituem a Assembléia dos Delegados-Eleitores coincidirá com o seu mandato de membro do Conselho Regional.

Art. 18º Compete à Assembléia dos Delegados Regionais:

eleger os membros do Conselho Federal e respectivos suplentes;
destituir qualquer dos membros do Conselho Federal que atente contra o prestígio, o decoro ou o bom nome da classe;
apreciar a proposta orçamentária do Conselho -Federal;
aprovar o orçamento anual do Conselho Federal;
aprovar proposta de aquisição, oneração ou alienação de bens cujos valores ultrapassem 5 (cinco) vezes o valor de referência previsto no artigo 2º, parágrafo único, da lei nº 6.205, de 29 de abril de 1975.
Art. 19º A Assembléia dos Delegados Regionais deverá reunir-se ordinariamente pelo menos uma vez por ano, por convocação do Presidente do Conselho Federal de Psicologia.

Art. 20º A Assembléia dos Delegados Regionais poderá reunir-se extraordinariamente por convocação do Presidente do Conselho Federal ou a pedido justificado de pelo menos 1/3 (um terço) dos seus membros.

Art. 21º A Assembléia dos Delegados Regionais se reunir-se-á em primeira convocação com a maioria absoluta de seus membros e, nas convocações subseqüentes, com qualquer -número.

Art. 22º A Assembléia dos Delegados Regionais deliberará pelo voto favorável da maioria absoluta dos membros presentes, exceto nas eleições de membros do Conselho Federal, que exigirão o voto favorável de pelo menos 2/3 (dois terços) dos delegados-eleitores presentes.

Art. 23º A reunião ordinária da Assembléia dos Delegados Regionais que coincidir com o ano do término do mandato do Conselho Federal realizar-se-á com 30 (trinta) a 45 (quarenta e cinco) dias de antecedência em relação à data de expiração do mandato.

Seção II - Da Assembléia Geral

Art. 24º A Assembléia Geral de cada Conselho Regional será constituída por Psicólogos com inscrição principal no Conselho Regional e em pleno gozo de seus direitos.

Art. 25º Compete à Assembléia Geral do Conselho Regional:

eleger os membros do Conselho Regional e respectivos suplentes;
aprovar a aquisição e alienação de bens, cujo valor ultrapasse 5 (cinco) vezes o valor de referência previsto no artigo 2º, parágrafo único, da lei nº 6.205, de 29 de abril de 1975;
propor ao Conselho Federal, anualmente, a tabela de anuidades, taxas, emolumentos e multas, bem como quaisquer outras contribuições;
deliberar sobre questões e consultas submetidas à sua apreciação pelos Presidentes do Conselho Federal ou do respectivo Conselho Regional;
destituir o Conselho Regional ou qualquer de seus membros, por motivo de alta gravidade, que atinja o decoro ou o bom nome da classe.
Art. 26º A Assembléia Geral do Conselho Regional deverá reunir-se ordinariamente pelo menos uma vez por ano, por convocação do Presidente do Conselho Regional.

Art. 27º A Assembléia Geral do Conselho Regional poderá reunir-se extraordinariamente, por convocação do Presidente do Conselho Regional e a pedido justificado de, pelo menos, 1/3 (um terço) dos Psicólogos inscritos originariamente no Conselho e em pleno gozo de seus direitos.

Art. 28º A Assembléia Geral do Conselho Regional reunir-se-á em primeira convocação com a maioria absoluta de seus integrantes e nas convocações subseqüentes com qualquer número de integrantes.

Art. 29º A Assembléia Geral do Conselho Regional deliberará pelo voto favorável da maioria dos presentes, exceto quanto à destituição do Conselho Regional ou qualquer de seus membros, que exigirá o voto favorável de pelo menos 2/3 (dois terços) dos presentes.

Art. 30º A reunião ordinária da Assembléia Geral do Conselho Regio-nal que coincidir com o término do mandato do Conselho Regional realizar-se-á dentro de 30 (trinta) a 45 (quarenta e cinco) dias de antecedência, em relação à data de expiração do mandato. Capítulo IV Das eleições

Art. 31º Os membros do Conselho Federal serão eleitos pela Assembléia dos Delegados Regionais, que se reunirá ordinariamente no período compreendido entre 45 (quarenta e cinco) e 30 (trinta) dias antecedência, em relação à data de expi-ração do mandato.

Parágrafo Único - A Assembléia será convocada pelo Presidente do Conselho Federal com antecedência de 30 (trinta) dias em relação à data da realização da eleição.

Art. 32º Os membros do Conselho Regional serão eleitos pela Assembléia Geral do Conselho Regional, que se reunirá ordinariamente no período entre 45 (quarenta e cinco) e 30 (trinta) dias de antecedência em relação à data de expiração do mandato.

Parágrafo Único - A Assembléia Geral do Conselho Regional será convocada pela imprensa , por edital afixado na sede do Conselho e por correspondência dirigida aos integrantes, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias em relação à data da realização da eleição.

Art. 33º Os membros do Conselho Regional serão eleitos pelo sistema de voto pessoal, secreto e obrigatório dos integrantes da Assembléia Geral do Conselho Regional.

Parágrafo Único - Por falta não justificada à eleição, incorrerá o integrante da Assembléia Geral do Conselho Regional em multa correspondente a 1 (um ) valor de referência regional , previsto no artigo 2º, parágrafo único da lei nº 6.205, de 29 de abril de 1975, duplicada na reincidência, sem prejuízo de outras penalidades.

Capítulo V
Dos membros dos Conselhos Federal e Regionais

Art. 34º O exercício do mandato de membro do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais, assim como a respectiva eleição, mesmo na condição de suplente, ficarão subordinados ao preenchimento dos seguintes requisitos e condições básicas:

cidadania brasileira;
inscrição principal na jurisdição do Conselho Regional respectivo há mais de 2 (dois) anos;
pleno gozo dos direitos profissionais, civis e políticos;
inexistência de condenação à pena superior a 2 (dois) anos, em virtude de sentença transitada em julgado;
inexistência de penalidade por infração ao Código de Ética.
Art. 35º A extinção ou perda do mandato de membros do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais ocorrerá:

por renúncia;
por superveniência de causa de que resulte o cancelamento da inscrição;
por condenação à pena superior a 2 (dois) anos em virtude de sentença transitada em julgado;
por destituição da Assembléia dos Delegados Regionais ou da Assembléia Geral do Conselho Regional;
por ausência sem motivo justificado, a 5 (cinco) reuniões consecutivas ou intercaladas em cada ano.
Art. 36º Os membros dos Conselhos Federal e Regionais poderão ser licenciados, por deliberação do Plenário, por motivo de doença ou outro impedimento de força maior.

Art. 37º A substituição de qualquer membro, em suas faltas e impedimentos, far-se-á pelo respectivo suplente, mediante convocação do Presidente do Conselho.

Capítulo VI
Da organização

Art. 38º Os Conselhos Federal e Regionais terão, cada um, como órgão deliberativo o Plenário, constituído pelos seus membros, e como órgão executivo a Presidência e os que forem criados para a execução dos serviços técnicos ou especializados, indispensáveis ao cumprimento de suas atribuições.

Art. 39º As diretorias dos Conselhos Federal e Regionais compor-se-ão de Presidente, vice-Presidente, secretário e tesoureiro, eleitos pelo Plenário na primeira reunião ordinária de cada ano.

Art. 40º A estrutura dos Conselhos Federal e Regionais e as atribuições das respectivas diretorias e dos demais órgãos serão fixadas no Regimento de cada Conselho.

Art. 41º Além de outras atribuições fixadas nos respectivos regimentos, caberá aos Presidentes dos Conselhos Federal e -Regionais:

representar o Conselho, ativa e passivamente, em juízo ou fora dele;
zelar pela honorabilidade e autonomia da instituição e pelas leis e regulamentos referentes ao exercício da profissão de Psicólogo.
Art. 42º Os Presidentes dos Conselhos Federal e Regionais serão substituídos em suas faltas e impedimentos, pelos Vice-Presidentes.

Capítulo VII
Da inscrição, da Carteira de Identidade Profissional, das anuidades, taxas, emolumentos e das multas

Seção I - Da inscrição

Art. 43º A inscrição do Psicólogo será efetuada no Conselho Regional da jurisdição, de acordo com resolução do Conselho Federal.

§ 1º - Os registros serão feitos nas categorias de Psicólogo e Psicólogo Especialista.
§ 2º - O exercício simultâneo, temporário ou definitivo da profissão, em área de jurisdição diversa da do Conselho Regional onde foi efetuada a inscrição principal do Psicólogo, fica condicionado à inscrição secundária no Conselho ou Conselhos da jurisdição.
Art. 44º Para a inscrição é necessário que o Psicólogo:

satisfaça as exigências da lei nº 4.119, de 27 de agosto de 1962;
não seja ou esteja impedido de exercer a profissão;
goze de boa reputação por sua conduta pública.
Parágrafo Único - O Conselho Federal disporá em resolução sobre os documentos necessários à inscrição.
Art. 45º Qualquer pessoa ou entidade poderá representar ao Conselho Regional contra a inscrição de Psicólogo.

Art. 46º Se o Conselho Regional indeferir o pedido de inscrição, o candidato terá direito de recorrer ao Conselho Federal dentro do prazo de 30 (trinta) dias contados da ciência da decisão.

Seção II - Da Carteira de Identidade Profissional

Art. 47º Deferida a inscrição, será fornecida ao Psicólogo Carteira de Identidade Profissional, em que serão feitas anotações relativas à atividade do portador.

Art. 48º A exibição da Carteira de Identidade Profissional poderá ser exigida por qualquer interessado na verificação da habilitação profissional.

Seção III - Das anuidades, taxas e emolumentos

Art. 49º A inscrição do Psicólogo, o fornecimento de Carteira de Identidade Profissional e certidões, bem como o recebimento de petições, estão sujeitos ao pagamento de anuidades, taxas e emolumentos.

Art. 50º O pagamento da anuidade ao Conselho Regional constitui condição de legitimidade do exercício da profissão pelo Psicólogo.

Art. 51º A anuidade será paga até o último dia do primeiro trimestre de cada ano, salvo a primeira, que será devida no ato da inscrição do psicólogo.

Seção IV - Das multas

Art. 52º O pagamento da anuidade fora do prazo sujeitará o devedor à multa fixada pelo Conselho Federal.

Art. 53º A multa poderá ser também aplicada como sanção disciplinar.

Art. 54º A multa poderá ser acumulada com outra penalidade.

Art. 55º A pena de multa sujeita o infrator ao pagamento da quantia fixada pela decisão que aplicar, de acordo com o critério da individualidade da pena.

Parágrafo Único - A falta do pagamento da multa no prazo de 30 (trinta) dias da notificação da penalidade imposta acarretará a cobrança dela por via executiva, sem prejuízo de outras penalidades cabíveis.

Capítulo VIII
Das infrações e penalidades

Seção I - Das infrações

Art. 56º Constituem infrações disciplinares:

transgredir o preceito do Código de Ética Profissional;
exercer a profissão quando impedido de fazê-lo, ou facilitar, por qualquer meio, o seu exercício aos não inscritos ou impedidos;
solicitar ou receber de cliente qualquer favor em troca de concessões ilícitas;
praticar, no exercício da atividade profissional, ato que a lei define como crime ou contravenção;
não cumprir no prazo estabelecido determinação emanada do órgão ou autoridade dos Conselhos, em matéria da competência deste, depois de regularmente justificada;
deixar de pagar aos Conselhos, pontualmente, as contribuições a que esteja obrigado.
Seção II - Das penalidades

Art. 57º As penas aplicáveis por infrações disciplinares são as seguintes:

advertência;
multa;
censura;
suspensão do exercício profissional por até 30 (trinta) dias;
cassação do exercício profissional ad referendum do Conselho Federal.
Art. 58º Salvo os casos de gravidade manifesta, que exijam aplicação imediata da penalidade mais séria, a imposição das penas obedecerá à gradação do artigo anterior.

Art. 59º Para efeito da cominação da pena, são consideradas especialmente graves as faltas diretamente relacionadas com o exercício profissional.

Art. 60º Aos não inscritos nos Conselhos que, mediante qualquer forma de publicidade, propuserem-se ao exercício da profissão de Psicólogo, serão aplicadas as penalidades cabíveis pelo exercício ilegal da profissão.

Art. 61º Da imposição de qualquer penalidade caberá recurso, com efeito suspensivo, ao Conselho Federal:

voluntário, no prazo de 30 (trinta) dias a contar da data da ciência da decisão;
"ex-officio", nas hipóteses dos itens IV e V do artigo 57º, no prazo de 30 (trinta) dias a contar da decisão.
Art. 62º A suspensão por falta de pagamento de anuidades, emolumentos, taxas e multas só cessará com a satisfação da dívida, podendo ser cancelada a inscrição após decorridos 3 (três) anos.

Art. 63º As instâncias recorridas poderão reconsiderar suas pró-prias decisões.

Art. 64º O Conselho Federal será última e definitiva instância nos assuntos relacionados com a profissão e seu exercício.

Art. 65º Os Presidentes dos Conselhos Federal e Regionais têm qualidade para agir, mesmo criminalmente, contra qualquer pessoa que infringir as disposições deste regulamento e, em geral, em todos os casos que digam respeito às prerrogativas, à dignidade e ao prestígio da profissão de Psicólogo.

Capítulo IX
Disposições gerais e transitórias

Seção I - Disposições gerais

Art. 66º Aos servidores dos Conselhos Federal e Regionais aplica-se o regime jurídico da Consolidação das Leis do Trabalho.

Art. 67º Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Federal de Psicologia.

Seção II - Disposições transitórias

Art. 68º Os membros dos primeiros Conselhos Regionais são designados pelo Conselho Federal de Psicologia.

§ 1º - A primeira eleição dos membros dos Conselhos Regionais pela respectiva Assembléia Geral, de acordo com o artigo 32º, far-se-á no prazo máximo de 3 (três) anos, contados da instalação, em cada caso.
§ 2º - O prazo fixado no parágrafo anterior será contado da data da vigência deste regulamento para os Conselhos Regionais instalados antes de sua expedição.
Art. 69º Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. 





Institucional

Conheça o CRP SP
Conselheiros
Subsedes
Comissões
Licitações
Transparência
Nova sede
Atendimento

Anuidades
Atualizar cadastro
Cadastro nacional
Concursos
Declaração Profissional
Validação de Declaração
Inscrição de empresa
Inscrição pessoa física
Profissionais inscritos
Entrega de CIP
Orientação

Código de Ética
Manuais
Representações
Título de especialista
Legislações
Tabela de honorários
Testes psicológicos

Publicações

Boletins CRP SP
Cadernos temáticos
Campanhas e ações
Cartilhas
CREPOP
Diversos
Exposições virtuais
Jornal Psi
Livros
Memória da Psicologia
Notícias
Páginas temáticas
Quadrinhos
TV Diversidade
Vídeos
Agenda

Agenda CRP SP
Outros eventos
Indique um evento
Transmissões online
Planejamento estratégico
Conselho Regional de Psicologia 6ª Região | R. Arruda Alvim, 89 | 05410 020 | São Paulo/SP | Tel. 11 3061 9494